'Criminoso em série', diz delegada sobre anestesista preso por estupro

criminoso serie delegada anestesista -preso estupro
Via @uoloficial | A delegada Bárbara Lomba, responsável pela prisão do anestesista Giovanni Quintella Bezerra por estupro, afirma estar diante de um "criminoso em série". Segundo a delegada, foi confirmado que o anestesista utilizava a sedação total da paciente —avaliada como desnecessária na maior parte dos casos— com o intuito de praticar o abuso.

O anestesista foi preso após a equipe de plantão do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, deixar um celular escondido no centro cirúrgico gravando a atuação do médico.

"Pela repetição das ações criminosas que nós observamos e pela característica compulsiva das ações do indiciado, nós podemos dizer que é um criminoso em série. Com todas as informações que coletamos até agora, tudo indica que a sedação era feita para a prática do estupro."

Além do estupro flagrado em vídeo, a DEAM (Delegacia de Atendimento à Mulher) de São João de Meriti investiga outros cincos casos —dois deles teriam ocorrido no mesmo plantão em que ocorreu a filmagem da gestante sedada sendo abusada. Outros três casos são de mulheres que procuraram a delegacia para relatar adoção de procedimentos incomuns praticados pelo médico.

Uma delas contou que foi dopada durante o parto e que chegou ao quarto com vestígios brancos no rosto. A paciente chegou a ser limpa com lenço umedecido.

A jovem chegou a agradecer ao anestesista pela a assistência.

Outra revelou ainda que ficou incomodada com o fato de Giovanni falar sempre ao pé do ouvido dela enquanto a monitorava durante a cirurgia.

Justiça decreta prisão preventiva

O Tribunal de Justiça do Rio converteu a prisão em flagrante de Giovanni em preventiva na noite de ontem. Ele foi autuado por estupro de vulnerável. A pena prevista é de oito a 15 anos. Segundo a delegada, o médico ainda pode responder por violência obstétrica.

O Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro) suspendeu o CRM dele. Com a decisão, Giovanni fica impedido de exercer a medicina no RJ.

Entenda o caso

Giovanni Quintella Bezerra, 32 anos, foi preso em flagrante na madrugada de segunda-feira (11) pelo crime de estupro de vulnerável. Um vídeo gravado com um celular escondido na sala de cirurgia do Hospital da Mulher, em Vilar dos Teles, em São João de Meriti (RJ), mostra o profissional colocando o pênis na boca da paciente.

A Polícia Civil já sabe que o caso ocorreu após o nascimento do bebê.

O vídeo foi gravado e entregue à polícia por enfermeiras da unidade, que desconfiaram da quantidade de sedativo usado pelo anestesista em outras ocasiões e da movimentação dele próximo à paciente.

Nas imagens gravadas, a mulher aparece deitada e inconsciente durante o parto. Do lado direito do lençol usado em toda cesariana, a menos de um metro de outros profissionais, o médico aparece colocando o pênis para fora e introduzindo o órgão na boca da mulher.

O ato dura 10 minutos.

A reportagem teve acesso às imagens, mas optou por não publicá-las para preservar a vítima. O pai da criança foi comunicado sobre o crime e, até a saída da polícia da unidade de saúde, a vítima ainda não havia tomado conhecimento do estupro.

Marcela Lemos
Colaboração para Universa, no Rio de Janeiro
Fonte: www.uol.com.br

O que você achou desse conteúdo? Participe com sua Reaction abaixo:

1/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

  1. E a delegada, ao dar voz de prisão ao aludido réu, fez uso da "tranquilidade e carinho" para tanto. Hilário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima