Após dizer que ciclista morto estava “no lugar errado”, advogada recebe censura de entidade

ciclista morto lugar errado advogada censura
Via @metropoles | A Associação dos Ciclistas de Planaltina-DF e Região (Asciclo) emitiu nota de repúdio contra a defesa do servidor da Universidade de Brasília (UnB) Marco Antônio Ferreira Lopes, 29, que atropelou e matou o ciclista Gilson da Silva, 36, no último domingo (10/10). Na ocasião, a advogada do acusado, Neiva Esser, afirmou que a vítima estava no “local errado na hora errada”.

“O infeliz comentário da advogada parece tentar colocar como culpa do ciclista Gilson, a sua morte, passando também a impressão que nós, ciclistas, somos irresponsáveis, ao optarmos por nos deslocar de bicicleta pelas vias de nossa cidade”, escreveu a associação.

O comentário de Neiva foi dado ao Metrópoles. “Ele saiu tonto do carro por causa do airbag. O carro bateu na guia, o airbag veio no rosto dele e, quando ele perdeu o controle do veículo, infelizmente o ciclista estava no lugar errado e na hora errada”, afirmou.

A associação lembra que Gilson tinha o direito de transitar na via. “Isso está claríssimo no Código de Trânsito Brasileiro, onde diz que a preferência é sempre do pedestre e/ou ciclista”, argumenta a Asciclo.

Expulsão

Depois do comentário, a advogada, que também usa bicicleta e fazia parte de grupos de pedais, foi expulsa de grupos de WhatsApp de comunicação de ciclistas.

Procurada para comentar a nota, a defensora afirmou respeitar os ciclistas e que a afirmação foi mal interpretada. “Respeito os ciclistas, sou uma ciclista também e fiquei muito chateada de ter sido removida dos grupos. Tenho todo o cuidado respeito e carinho pelos ciclistas e estou somente exercendo meu papel enquanto advogada”, argumentou.

Um grupo de ciclistas organizou um protesto nessa segunda-feira (11/10) pela morte de Gilson, em Planaltina. Veja:

O caso

Depois do acidente, Gilson da Silva foi levado ao Hospital de Planaltina, mas não resistiu aos ferimentos.

Gilson da Silva foi atingido pelo carro que era dirigido por Marco Antônio Ferreira Lopes, em Planaltina

Testemunhas contaram à 16ª Delegacia de Polícia (Planaltina) que o condutor do veículo estava com sinais de embriaguez. O motorista foi detido em flagrante no local do acidente depois de se recusar a fazer o teste do bafômetro. Nesta terça-feira (12/10), ele foi solto em audiência de custódia.

Celimar de Meneses
Fonte: www.metropoles.com

O que você achou desse conteúdo? Participe com sua Reaction abaixo:

0/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima