Kim Kataguiri processa 17 pessoas por imputação de apologia ao nazismo

kim kataguiri processa pessoas apologia nazismo
Via @correio.braziliense | O polêmico episódio do Flow Podcast segue dando o que falar. Após a repercussão, o deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) decidiu processar 17 responsáveis por perfis em redes sociais e mais quatro veículos de imprensa. Segundo ele, os alvos dos processos teriam o acusado, falsamente, de ter cometido crime de apologia ao nazismo.

O ex-deputado Jean Wyllys é um dos que, de acordo com Kataguiri, será processado. O deputado Ivan Valente (PSOL-SP), a filósofa Márcia Tiburi, o historiador Jones Manoel, o jornalista Palmério Dória, o youtuber Henry Bugalho, os responsáveis pelos perfis Rosa Conservadora, Senhora Rivotril, Família Direita Brasil, Bolso Regrets, Jornalismo Wando, Thiago Brasil, Marcello Neves, Veronica do @vedaytos, Flávia Maynarte, Dilmãe Tá On e Sergio Amadeu, são os alvos.

Além disso, o deputado acusa quatro veículos de imprensa de distorcer o que ele falou no Flow Podcast e pedirá direito de resposta e indenização aos veículos Band News, The Intercept Brasil, Nexo Jornal e Blog da Cidadania.

Em nota, o advogado de Kataguiri, Rubinho Nunes, que é vereador em São Paulo, disse que os perfis, pessoas e veículos tentaram “assassinar a reputação do deputado”. "É justo e necessário que a tentativa organizada de assassinar a reputação do deputado por parte dos agentes citados leve à condenação e, por consequência, indenização como resultado de seus atos", alegou Rubinho (PSL-SP).

Relembre

Tudo começou após o episódio do Flow Podcast, que foi ao ar na primeira segunda-feira de fevereiro (7/2), viralizar. Na ocasião o apresentador Monark defendeu a criação de um partido nazista no Brasil. O programa recebia como convidados os deputados federais Kim Kataguiri (DEM-SP) e Tabata Amaral (PSB-SP).

A fala do apresentador aconteceu durante uma discussão sobre regimes radicais de esquerda e direita, e Monark saiu em defesa do “direito” de ser antissemita: “A esquerda radical tem muito mais espaço que a direita radical, na minha opinião. As duas tinham que ter espaço. Eu acho que tinha de ter o partido nazista reconhecido por lei.”

Em determinado momento, na discussão, Kim Kataguiri diz achar errado o fato da Alemanha ter criminalizado o nazismo. Na quarta-feira da mesma semana (9/2), Kim reconheceu o erro da fala e se desculpou. “Eu disse algo que ofende a comunidade judaica. Que faz com que ela se sinta ameaçada", afirmou. Entretanto, ele nega que tenha feito apologia ao nazismo.

"Cabe ressaltar que o nazismo jamais deve ser relativizado. Trata-se de um dos mais horrendos crimes cometidos na história da humanidade. Utilizá-lo como arma política para destruição de reputação de adversários políticos é um tremendo desrespeito não apenas com os sobreviventes do Holocausto, mas também com a comunidade judaica como um todo", disse, em comunicado, o vereador Rubinho Nunes, advogado de Kataguiri.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br

O que você achou desse conteúdo? Participe com sua Reaction abaixo:

1/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

  1. Esse elemento nunca teve uma posição política, tipo assim, vive em busca de poder sem conhecer política. Cadeia nesse bobalhão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima