Público x Privado: O advogado e o porte de arma de fogo

publico privado advogado porte arma fogo
No Dia do Advogado, 11 de agosto, foi divulgada notícia de que o senador Flavio Bolsonaro estaria propondo um projeto de lei para alterar o Estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil e permitir a todos os advogados o porte de arma. Ao mesmo tempo, circulam notícias de eventos patrocinados por algumas seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil, particularmente a do Distrito Federal, promovendo eventos de tiro para advogados.

O porte de arma é uma agenda recorrente no cenário político brasileiro, especialmente em espaços corporativos. Quando exerci o cargo de procurador da Fazenda Nacional, o tema compunha a agenda de demandas corporativas da categoria, que se justifica na paridade de armas (aqui literalmente) com juízes e procuradores da República. Tive, inclusive, a oportunidade de experimentar pelo período de um ano o direito de portar arma (a qual nunca tive o interesse de possuir), mediante uma autorização específica na minha carteira profissional.

O tema tem apelo similar no seio de outras áreas das corporações de Estado, notadamente as de fiscalização. No último dia 30 de abril, foi editada a Portaria nº 32, publicada no Boletim de Serviço da Receita Federal do Brasil (RFB), estabelecendo a autorização do porte de arma de fogo, particular ou institucional, dentro e fora do serviço, aos auditores fiscais e aos analistas tributários da RFB. Tal autorização é mais uma etapa de um processo de idas e vindas sobre o tema e, no futuro, provavelmente será novamente revogada.

Antes de mais nada, é preciso que se registre um ponto fundamental: arma de fogo é um instrumento destinado a matar. Ela pode ser usada para outras finalidades (esportiva, como o campeonato de tiro), mas sua função primordial é a violência e a morte. Não é como, por exemplo, uma faca, que também pode ser usada com um instrumento de violência, mas usualmente é destinada à atividade culinária.

Sendo um instrumento usado para a violência, o direito ao porte não pode ser banalizado. Quem usa uma arma de fogo em nome do Estado deve fazê-lo quando as suas atribuições institucionais assim demandarem e somente após estar com a devida capacitação para isso. Não é um instrumento para ser usado com tiro ao esmo, em direção a alvos indefinidos (entre os quais podem estar seres humanos inocentes). Igualmente, não pode ser instrumento de intimidação da sociedade em geral pelo Estado, mas apenas para o combate ao crime e, particularmente, aos criminosos que apelam à violência.

Dentro da perspectiva acima, o porte generalizado de armas de fogo para a fiscalização tributária é algo que não faz sentido nenhum na perspectiva da atividade que exercem — da mesma forma que não o faz para advogados. Para a fiscalização tributária, o porte de arma de fogo só faz sentido nos termos em que já era autorizado: quando acompanhando a autoridade policial em operações de combate ostensivo ao crime, notadamente os de contrabando e descaminho.

Durante os 24 em que exerci a função de procurador da Fazenda, integrando a administração tributária, nunca existiu uma atividade em que o porte de arma de fogo fosse necessário. A atividade de fiscalização tributária é extremamente burocrática e, em grande parte, executada através de sistemas de computação que analisam as informações disponibilizadas pelos contribuintes. É um trabalho essencialmente realizado em um escritório e, nestes tempos de pandemia, até em casa. Qual é a necessidade do porte de arma de fogo nessas situações? Nenhuma! Exceto, é claro, se o objetivo for intimidar o contribuinte quando exercita o seu direito de contraditar o Estado. Como uma vez registrei ao então ministro da Fazenda Guido Mantega, quando recebia do secretário da Receita Federal uma proposta semelhante à que é adotada hoje pela Portaria 32 de 2021, é inadmissível sequer cogitar que os contribuintes possam ser recebidos por fiscais com um revólver calibre 38 em cima da mesa.

O advogado, igualmente, terce armas usando a lei como instrumento, não a violência ou a intimidação. A argumentação e a razão são os fundamentos do Direito, e a civilização humana construiu nos últimos séculos um sistema de Direito voltado ao combate do uso indiscriminado e arbitrário da força e da opressão. Portanto, a arma de fogo não tem lugar nesse ambiente, exceto se quisermos retornar ao exercício da intimação e da violência como realização do Direito, ou melhor, da ausência dele. Um Estado em que, como na Idade Média, o julgamento divino favorece àquele mais forte.

Na verdade, o porte de arma de fogo também possui aqui um estatuto diferente. É uma espécie de medalha a ser exibida nos corredores do Estado e perante a sociedade. É uma "qualidade " de quem porta a arma que o destaca na multidão. Essa função de reconhecimento nobiliárquico, próprio de um país que nunca superou integralmente seu período imperial, explicita o quanto estamos longe de ser uma República de cidadãos, respeitosa ao império do Direito, da lei e da justiça. A "paridade de armas" entre advogados, juízes, promotores e fiscais do Estado nada mais indica que a razão e o Direito devem ceder à intimidação e à violência.

Melhor anda a Ordem dos Advogados do Brasil quando defende maior transparência do Estado, igualdade de tratamento e acesso das partes aos órgãos de decisão, especialmente aos juízes, e respeito aos direitos fundamentais pelos agentes do Estado.

O problema, ao final, é que o status e o reconhecimento desejados pelas corporações profissionais não são demonstrados por algo inofensivo como uma medalha, mas pelo direito de usar uma arma de fogo, cujo uso só resulta em tragédias.
_______________________________________

Luís Inácio Adams é advogado e ex-procurador da Fazenda Nacional. Foi Advogado-Geral da União (2009 a 2016).
Fonte: Conjur

6/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

  1. Todavia se existe a possibilidade de alguém agredi-lo ou mato -lo por sua profissão de advogado vc tem o direito de se proteger da injusta agressão,, ou seremos estasticas de mais um afogado morto, como já aconteceu várias vezes.

    ResponderExcluir
  2. É fácil julgar indevido o Porte de Armas quando o exercício de sua profissão é em ambiente controlado e/ou no conforto de um órgão público.
    O advogado não pode se dar ao luxo de limitar sua atividade à ambientes seguros e confinados, tendo no exercício da advocacia contato direto com homicidas, traficantes, estupradores, crime organizado e os mais variados agentes maléficos da sociedade.
    Equiparar o risco do exercício da atividade jurídica a um burocrata do governo é banalizar a vida do operador do direito e abandona-lo a própria sorte.
    A exemplo, basta comparar a quantidade de fiscais da RFB mortos nos últimos 10 anos e a quantidade de advogados mortos no mesmo período.
    A gravidade da limitação ao direito de defesa do operador do direito é cristalina quando comparado tais números.

    ResponderExcluir
  3. Perdi me precioso tempo lendo asneira... discurso de quem vive uma realidade diferente da nossa advogados que lidam com a realidade do escritório, dos litígios familiares e mazelas da sociedade. Esse discurso está igual nossas leis.... defasadas e totalmente fora da realidade atual. Não precisa de se defender, não venha com esse discurso, pois todos nós vivemos em realidade diferentes.

    ResponderExcluir
  4. Realidade totalmente diferente da nossa classe, ontem mesmo um advogado foi morto, não tinha como se defender. A sua realidade é outra, acorda!

    ResponderExcluir
  5. Quando esse "genio" resolver todos os problemas da segurança Publica, e fizer o Estado (a policia) Onipresente, ou transformar bandidos em anjos, dai sim apoio essa asneira dita, ou quando abolir o porte para juiz promotores e ate pra policia, vamos portar flores e baloes brancos😉

    ResponderExcluir
  6. O autor reflete na matéria seu cunho ideológico que não se coaduna com a realidade, pois a verdade pública e notória, e que, a advocacia é o elo mais fraco dentre os operadores do direito, o que pode ser constatado na comparação do número de mortes entre advogados, promotores e juízes, e, isto só mudará quando a OAB deixar de brincar de socialismo e realmente defender os interesses da classe, o que já passou da hora!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima