Juíza não vê ilegalidade em prisão de jovem algemado em moto de PM

juiza ilegalidade jovem algemado moto pm
Via @uolnoticias | O jovem negro de 18 anos algemado junto a uma moto da PM-SP (Polícia Militar de São Paulo) em movimento teve a prisão em flagrante convertida em preventiva pela juíza Julia Martinez Alonso de Almeida Alvim, do Departamento de Inquéritos Policiais do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), em audiência de custódia hoje à tarde no Fórum Criminal da Barra Funda.

A magistrada não viu ilegalidade na prisão, flagrada em vídeo ontem à tarde na zona leste de São Paulo. No boletim de ocorrência, ao qual o UOL teve acesso, os policiais militares envolvidos na ocorrência não mencionaram que o rapaz foi algemado junto a moto de um deles e arrastado em via pública antes de ser levado até o 56º Distrito Policial, onde foi registrada a prisão em flagrante por tráfico de drogas.

A informação foi confirmada pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). O jovem agora será encaminhado para exame de corpo de delito em IPM (Inquérito Policial Militar) instaurado pela corregedoria da PM-SP, que investiga o caso.

"O auto de prisão em flagrante encontra-se formalmente em ordem, não havendo nulidades ou irregularidades (...). Embora haja alegação de violência praticada por um dos policiais militares no momento da prisão, tal circunstância não é capaz de macular a prisão pela prática do crime de tráfico de drogas (...). A ocorrência de violência policial deverá ser apurada na esfera adequada"
Decisão da juíza Julia Martinez Alonso de Almeida Alvim

O advogado Fabio Costa, que representa o jovem preso, irá recorrer. Ele disse em entrevista ao UOL que a prisão foi ilegal da maneira como ocorreu. "O rapaz sofreu humilhação e violência por parte dos policiais militares. Isso configura uma ilegalidade", disse.

Presidente do Grupo Tortura Nunca Mais, o advogado Ariel de Castro Alves criticou a decisão. "A prática de tortura e de abuso de autoridade por parte do PM que efetuou a detenção do rapaz deveria gerar a anulação da prisão. Foi uma decisão lamentável".

O cabo Jocelio Almeida de Sousa, de 34 anos, identificado como o policial militar que aparece nas imagens conduzindo a moto, foi afastado das ruas. Ele pode responder pelos crimes de tortura, racismo e abuso de autoridade. Já o soldado Rogério Silva de Araújo, 39, pode responder por prevaricação.

Em depoimento, o cabo Jocelio limitou-se a dizer que o suspeito foi conduzido até a delegacia. Mas não informou de que forma isso ocorreu, mesma versão apresentada pelo seu colega de farda.

A ação, revoltou internautas e gerou cobrança de autoridades. "A imagem lembra do período da escravidão, quando os negros eram submetidos a esse tipo de humilhação e constrangimento", criticou o advogado Elizeu Soares Lopes, ouvidor das polícias de São Paulo, que formalizou pedido de apuração do caso à PM-SP.

A reportagem telefonou hoje à tarde para Jocelio, mas ele não quis se manifestar e desligou em seguida. Já o soldado Rogério não foi localizado para apresentar a sua versão.

Na gravação, é possível ver o homem correndo atrás da moto enquanto o cabo Jocelio acelera. Pessoas por trás da câmera dão risada e uma delas debocha: "Olha, algemou e está andando igual a um escravo. Vai roubar mais agora?", questiona. A investigação também está sendo acompanhada pela Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e pelo Grupo Tortura Nunca Mais.

Jovem não confirma versão dos PMs em delegacia

Segundo a versão dada pelos policiais militares na delegacia, o jovem de 18 anos manobrou a moto na contramão da avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello para escapar de uma barreira policial por volta das 11h de ontem, colidiu o veículo contra uma ambulância e fugiu a pé, mas acabou sendo capturado.

De acordo com os agentes, ele estava com uma mochila com 11 tabletes de maconha. Em depoimento, o cabo Jocelio disse que o jovem abandonou a mochila com as drogas antes de colidir a moto em uma perseguição com menos de dez minutos. Segundo ele, o material entorpecente acabou sendo retido pelo seu colega de farda, que confirmou a versão.

Após a captura, os policiais militares disseram que o suspeito teria confessado em "entrevista informal" que a droga seria entregue a um traficante por R$ 150 em um bairro próximo. Contudo, o jovem não confirmou a versão contada pelos policiais e permaneceu em silêncio na delegacia.

Herculano Barreto Filho e Josmar Jozino
Do UOL, em São Paulo
Fonte: noticias.uol.com.br

O que você achou desse conteúdo? Participe com sua Reaction abaixo:

6/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

  1. A manchete da Imprensa Lixo Jovem NEGRO... DEVERIA SER , SUSPEITO COM VÁRIOS KG DE DROGA FOGE DA POLÍCIA E FOI CAPTURADO

    ResponderExcluir
  2. Concordo totalmente! Sempre tem um "Jovem Negro"... Tentam ajudar ou mudar a notícia....

    ResponderExcluir
  3. A reportagem tenta, a todo custo, transformar um traficante, que além do tráfico, infringiu a lei várias vezes, seja ao fugir de um comando, seja trafegando na contramão, colocando em risco a segurança de toda a sociedade que fazia parte do palco onde esse nefasto atua va, numa vitima do sistema...nojento !!!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns aos policiais por tirar mais um traficante de circulação. Quem tiver com pena, leve pra casa 🏠

    ResponderExcluir
  5. Reportagem é um lixo , querendo inverter os papeis , bando de fdp.

    ResponderExcluir
  6. CRIMINOSO VAGABUNDO, TRAFICANTE, FUGINDO DA ABORDAGEM QUER TRATAMENTO VIP ? SE TIVESSE TRABALHANDO, ESTUDANDO OU FAZENDO ALGO QUE PRESTE ISSO NÃO TINHA ACONTECIDO.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima