Caso Kiss: quais as chances de os réus voltarem a ser presos? Veja o que dizem especialistas

kiss chances reus voltarem presos dizem especialistas
Via @portalg1 | Os quatro réus pelo incêndio na Boate Kiss, que matou 242 pessoas em Santa Maria em 2013, foram soltos após decisão da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS). Na quarta-feira (3), o colegiado anulou o júri realizado em dezembro de 2021.

O Ministério Público recorreu ao Supremo Tribunal Federal, pedindo a prisão de Elissandro Callegaro Spohr, Mauro Londero Hoffmann, Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão. Com o caso aguardando análise do STF, quais são as chances de os réus voltarem a ser presos?

O g1 ouviu especialistas que projetam o futuro dos quatro acusados. Todos concordam que a possibilidade de novas prisões é remota. Confira abaixo.

O que dizem os especialistas?

O professor de direito penal Alexandre Wunderlich acredita que uma decisão monocrática, ainda que do presidente do STF, ministro Luiz Fux, não teria competência para reverter uma decisão de um colegiado.

"Há um consenso geral entre os juristas e os estudiosos do direito processual penal de que não é possível, em nenhuma hipótese, o ministro Fux reformar essa decisão em prejuízo aos acusados. Se isso acontecer, vai abrir um precedente histórico", afirma.

O professor de processo penal Fabiano Clementel lembrou que a decisão do ministro Luiz Fux derrubando o habeas corpus dos réus logo após o júri já foi questionada por estudiosos.

"Nessa nova tentativa do MP, essa possibilidade é muito difícil de acontecer. É absolutamente improvável que isso aconteça. Aquela decisão anterior já tinha pontos discutíveis", avalia.

Clementel afirma que, com a anulação do júri, a condenação dos réus deixa de existir e a liminar de Fux pela prisão dos réus perde objeto. Uma única alternativa para o retorno dos acusados à cadeia seria a decretação de uma medida cautelar, como a prisão preventiva – incomum em processos nesta etapa.

"A única possibilidade que eu vejo dessas prisões serem determinadas seria numa hipótese de prisão cautelar ou provisória. Mas me parece muito improvável ter elementos que sustentariam uma prisão preventiva", explica Clementel.

Ouvido pela RBS TV, o professor de direito penal Aury Lopes Jr. concorda com as críticas sobre a primeira decisão de Fux, que determinou a prisão dos réus após o julgamento de 2021. Ele avalia que o ministro errou em autorizar o cumprimento da pena imediatamente depois da decisão em primeira instância.

Para o especialista, o atual pedido do MP para que os acusados sejam presos novamente não será acolhido pelo STF.

"Se lá o Fux determinou a execução antecipada [da pena] porque teve uma sentença em primeiro grau, essa sentença não existe mais. E por conta dessa decisão que anula [o júri] ou absolve, o recurso não tem efeito suspensivo. Então, eles têm que ser soltos", considera.

O professor considera que o Ministério Público pode tentar "salvar o julgamento" tentando demonstrar que o Tribunal de Justiça errou em acatar as nulidades apresentadas pela defesa. Para isso, a acusação deve ingressar com novos recursos no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O processo contra os quatro réus deve ser retomado a partir da escolha dos jurados, um dos pontos que motivou o reconhecimento de nulidades.

Por Gustavo Chagas, g1 RS
Fonte: g1.globo.com

O que você achou desse conteúdo? Participe com sua Reaction abaixo:

0/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima