1° julgamento por videoconferência do Conselho Permanente da Justiça Militar

bit.ly/2K7jSP7 | O pioneirismo do Poder Judiciário acreano no gerenciamento de demandas em ambientes virtuais, algo possível, entre outros fatores, graças à virtualização de 100% dos processos, é um fator que tem ajudado decisivamente na continuidade dos serviços prestados à população, apesar das medidas de isolamento adotadas em razão da pandemia do novo coronavírus.

Exemplo disso são as audiências realizadas diariamente, por meio de videoconferência, com a utilização do Sistema de Automação da Justiça (SAJ) e aplicativos de comunicação para que partes, advogados, promotores e testemunhas sejam ouvidas remotamente. Os resultados são proferidos e conhecidos por meio das plataformas digitais e do Diário da Justiça Eletrônico (DJE).

Nesta quarta, 19, através das ferramentas digitais, o Conselho Permanente da Justiça Militar realizou o primeiro julgamento por videoconferência. A denúncia foi apresentada em desfavor de um militar que teria cometido o suposto crime de desrespeito a superior (art. 160 do Código Penal Militar), punível com pena de detenção.

Na sentença proferida pelo Juízo da 2º Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar da Comarca de Rio Branco, ainda aguardando publicação no DJE, foi observada a comprovação da conduta delitiva e a autoria “certa” dos fatos, a ensejar a responsabilização do militar pela má conduta na Caserna, marcada por demonstração de “agressividade” ao superior hierárquico.

No decreto judicial, que fixou a pena de quatros meses de detenção, em regime inicial aberto, foram ressaltados os bons antecedentes e primariedade do réu, bem como a agravante de cometimento de crime militar na presença de outro superior hierárquico.

Excepcionalidade

Ao final do julgamento, o juiz de Direito Alesson Braz, titular da unidade judiciária, destacou a emergência de saúde pública em decorrência da pandemia do novo coronavírus, bem como as medidas adotadas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pelo Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) para evitar o contágio comunitário pelo agente causador da covid-19, como justificativas para a realização dos procedimentos remotos.


O magistrado assinalou que, em meio à delicadeza do momento, o trabalho à distância aponta uma gama de novas possibilidades para o Poder Judiciário brasileiro. “Acredito que estamos diante do futuro do Poder Judiciário, porque mesmo com o final da quarentena, o vírus vai permanecer. Então, ainda assim, será preciso evitar aglomerações. Isso sem falarmos na economia de recursos importantes para o Judiciário”, disse.

Julgamentos podem ser assistidos

A próxima audiência por videoconferência a ser realizada pela 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco está marcada para acontecer no dia 16 de abril de 2022.

Com o objetivo de resguardar a publicidade dos atos, o Juízo lembra que interessados podem assistir à sessão de julgamento. Para isso, basta entrar em contato com a unidade judiciária por meio do telefone (68) 3211-5460.

Fonte: GECOM

1/Comentários

Agradecemos pelo seu comentário!

  1. Really impressive post.I enjoyed your article and planning to rewrite it on my own blog download mx player apkxyz.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!

Anterior Próxima